Junho – Mês das Festas Juninas

    Estamos nos aproximando do mês de junho, um mês que é típico ocorrer as famosas “quermesses” ou festas juninas, especialmente, no Brasil. Além de comemorarmos e confraternizarmos entre amigos e familiares, as festas juninas ocorrem para lembrar os santos padroeiros desse mês. No dia 13 de junho, celebramos Santo Antônio; no dia 24, a natividade de São João Batista e, no dia 29 de junho, fechamos o mês celebrando São Pedro e São Paulo.

    No mês de junho, é o final da primavera e começo do verão no hemisfério norte, e o dia 21 de junho é o solstício de verão nesse hemisfério, ou seja, dia mais longo do ano. Era essa a ocasião em que os povos promoviam festas para pedir fartura nas colheitas. Já aqui, no hemisfério sul, é o solstício de inverno, ou seja, dia mais curto do ano.

    A tradição católica introduziu nesse tempo um caráter religioso. Fez isso aproveitando os dias dos santos mais populares que são comemorados no mês de junho. Primeiro, com São João e São Pedro, e mais tarde, especialmente em Portugal, com Santo Antônio. Dessa forma, a Igreja usou essa comemoração natural para comemorar uma das mais tradicionais festas religiosas e que perdura o mês todo de junho.

    Tradicionalmente, as festas juninas começam no dia 12 de junho, véspera do dia de Santo Antônio, e encerram no dia 29 de junho, dia de São Pedro e São Paulo. Já nos dias 23 e 24, é celebrado o dia da Natividade de São João Batista. Na liturgia a Solenidade de Pedro e Paulo é transferida para o domingo seguinte.

    Pelo segundo ano consecutivo, os festejos juninos tão populares no Brasil serão com público restrito ou os festejos serão cancelados, pois pelo segundo ano consecutivo, estamos enfrentando a pandemia da Covid-19 e dessa maneira não podemos aglomerar pessoas. Aí nasce a criatividade deste tempo que agora vivemos.

    Algumas paróquias farão festejos juninos através do sistema drive-thru, onde as pessoas encomendam por meio do telefone ou na secretaria da paróquia durante a semana e retiram no final de semana ou no dia da festa. Esperamos que no próximo ano poderemos fazer grandes festejos, novamente.

    Assim como o mês de maio é um mês especial para a Igreja, pois é o mês Mariano, em que dedicamos a Nossa Senhora e a oração do Santo Rosário, o mês de junho é especial, pois temos a comemoração de três grandes Santos da Igreja. Santo Antônio nos ensina a ajudar o pobre e aquele que necessita de alimento; com São João Batista aprendemos a preparar o caminho do Senhor que virá; e com São Pedro e São Paulo aprendemos como ser verdadeiros discípulos e missionários de Jesus.

    Dessa forma, os festejos juninos não são apenas para fazer festa, comer ou beber, mas são de igual modo para agradecer a vida desses santos e os ensinamentos que eles deixaram para nós. Os festejos juninos são uma forma de evangelizarmos, pois, muitas pessoas vão na Igreja somente por causa da festa junina e esse é o momento de apresentarmos os trabalhos pastorais da paróquia para essas pessoas e anunciar o Evangelho a elas.

    Os festejos juninos são um momento de convidar novas pessoas para fazer parte do trabalho pastoral da paróquia, convidando pessoas para ajudar na festa junina e depois fazerem parte do trabalho pastoral da paróquia. Os festejos juninos são um sinal de que a paróquia está presente naquele bairro e que é uma comunidade viva e acolhedora.

    Outro festejo que normalmente ocorre no mês de junho, mas as vezes dependendo do calendário pode cair no final de maio, é o festejo do Sagrado Coração de Jesus. Esse ano, a festa do Sagrado Coração de Jesus cai em junho e podemos pedir que o Mestre nos envie e nos ajude em nosso apostolado. Pedindo a intercessão de Jesus para que a Igreja seja cada vez mais “Santa” e não faltem sacerdotes para conduzir o rebanho, pois nessa solenidade é também o dia de oração pela santificação dos padres.

    Os festejos juninos também são marcados pelo frio e temperaturas mais baixas, sobretudo nas regiões do Sul e Sudeste do Brasil, por isso faz sucesso nas paróquias a venda de quentão e vinho quente. É claro que se deve apreciar com moderação. No Norte e no Nordeste do Brasil, as temperaturas já são mais altas. As comidas típicas também variam de região para região do Brasil e as músicas populares, também.

     É tradicional, também, a fogueira de São João, que normalmente se acende na véspera do dia do Santo e, inclusive, se abençoa a fogueira. Em alguns lugares do Brasil, sobretudo no Norte e no Nordeste, é feriado no dia de São João, já começando os festejos na véspera, ou seja, no dia 23. A festa de São João, inclusive, é em alguns lugares comparado com o festejo natalino, devido a sua importância. Pedimos sobretudo que, através da chama daquela fogueira possamos ser pessoas que levem a chama de Jesus Cristo aos demais.

    Celebremos com alegria e responsabilidade os festejos juninos e que eles sirvam como possibilidade de evangelizarmos e nos tornarmos membros ativos de nossa comunidade, amando e servindo o próximo. Se não pudermos participar presencialmente da festa, devido à pandemia, que possamos ao menos ajudar comprando algo e comendo com a família em casa. Que Deus nos abençoe, por intercessão de São João Batista, Santo Antonio e São Pedro. Amém.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    doze − um =