Casal: o segredo de Jesus para acabar com as brigas ligadas ao cansaço

O cansaço é uma das muitas causas de discussão no casal. No entanto, essas brigas podem ser evitadas tomando alguns cuidados simples

Afadiga é um sinal de alerta. Num nível fisiológico, indica a necessidade de recuperação. No plano emocional, pode nos conscientizar do peso, do impacto dos acontecimentos que acabamos de vivenciar e nos chamar a considerá-los. Do ponto de vista psicológico, o cansaço nos mostra talvez que não estamos em nosso lugar ou que carregamos algo que nos excede. Espiritualmente, nos convida a equilibrar a vida, a descansar em Deus ou, paradoxalmente, estarmos sempre juntos com os outros. No casal, revela efetivamente os defeitos e é uma ocasião para redobrar o cuidado e a atenção. Ao enfraquecer nossa capacidade de nos controlarmos ou de assumirmos o controle do nosso cotidiano, nos empurra a buscar alívio, principalmente do lado do nosso cônjuge (se ele não estiver tão cansado quanto nós).

A briga causada pelo cansaço é um momento de verdade sobre si mesmo

A esposa tem uma falha: ela aponta com um tom um tanto humilhante que o outro não fez as coisas como deveria. O marido tem um defeito: ele é suscetível. E vice-versa. Quando ele não está cansado, o tom não é humilhante. Quando ela não está cansada, ela não fica chateada. Um dia, a espiral previsível pára abruptamente quando ela diz: “Estamos cansados”. A tensão diminui em ambos e também nas crianças que conhecem essa conversa um tanto absurda na qual elas às vezes caçoam.

Claro, nem todas as brigas estão ligadas ao cansaço. Mas a dificuldade de autocontrole que causa fadiga pode ser uma grande oportunidade. O argumento ou atitude menos ajustada é um momento de verdade sobre nós mesmos. A fadiga ataca nossa onipotência e nosso perfeccionismo. Torna a nós vulneráveis, relativiza nossa autonomia e ressalta nossa necessidade do outro. Lembra-nos que temos um corpo e que devemos à ele certos cuidados.

A primeira etapa do descanso: dê espaço a si mesmo

Numa família que valoriza o auto-sacrifício, a consciência do cansaço pode ser insuficiente. Jesus Cristo indica aos seus discípulos cansados ​​que o primeiro passo para descansar é se afastar. Este retiro permite-nos dedicar um tempo a determinar qual tipo de descanso é adequado: sono, exercício físico, natureza, música, leitura relaxante, cuidados com o corpo… e também refletir sobre a mudança circunstancial necessária para não perder a nossa energia, para passar por determinadas situações de forma diferente.

Por exemplo, o diálogo com o nosso cônjuge pode ser exaustivo se virar para a discussão e não der preferência à escuta. Talvez fosse necessário estabelecer algumas regras para falar sem ficar cansado? Outro exemplo: uma situação de injustiça cansa muito. Provoca uma raiva frequentemente internalizada que absorve energia. Como admitir que nosso cônjuge não assume uma ou outra responsabilidade? Uma certa distância é necessária para esclarecer o que está em jogo. Às vezes, é um sentimento de injustiça baseado numa visão distorcida que deve ser examinada pacientemente entre vocês dois. O cansaço muitas vezes nos distrai do diálogo, embora seja um momento chave para aproveitar.

Sophie Lutz

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

18 + 15 =