Dignidade perdida

    A partir da consulta de algum dicionário, pode-se dizer que “a dignidade baseia-se no reconhecimento da pessoa digna de respeito”. Realmente é uma necessidade emocional presente na vida de cada ser humano, podendo ter reconhecimento público de se ter feito bem as coisas. Essa dignidade não pode ser perdida, porque é ela que dá sustentação e fundamento para firmeza na esperança.

    Ninguém pode viver perdido na vida, e muito menos sem dignidade. O sentido real do bem viver está centrado nos encontros que acontecem com o outro e com Deus. Muitas pessoas recuperam a dignidade no contato e no exercício das propostas de Jesus Cristo. É o caminho da justiça e da verdade. Um itinerário com marcas de falsidade e irresponsabilidade conduzem à perda da dignidade.

    A pessoa humana, desde seu nascimento, está sujeita à intervenção divina e vai sendo modelada e fortalecida como ser vivente. Não há vida e dignidade sem Deus. Isso pode ser perdido na medida em que aparecem as crises existenciais, que trazem como consequências desastrosas uma profunda desarmonia interior e muitas dificuldades nas relações de convivência e fraternidade.

    Na Carta aos Romanos, Paulo mostra a existência da morte e da vida, representado pelas pessoas de Adão e Jesus. Enquanto Adão é identificado como provocador de desarmonia, da perda de dignidade e da morte, Jesus faz um caminho inverso para recuperar o que o povo de Deus tenha perdido, isto é, a dignidade da vida e a sua capacidade de relacionamento com Deus (cf. Rm 5,12-19).

    A dignidade perdida representa esvaziamento de tudo àquilo que é capaz de dar real sustentação para a existência humana. É realidade que atinge a vida física, a psicológica e a espiritual das pessoas. Assim elas fazem uma história sem conteúdo, vazia, sem sentido e sem saber para onde estão caminhando. Esse vazio precisa ser preenchido e dar verdadeira sustentação para a esperança.

    O mundo tem muitos sinais visíveis de morte e de vida. É justamente nesse meio que as pessoas vivem, mas sofrendo todos os tipos de ataques e conflitos, ou mesmo de tentações. Acabam sendo fragilizadas perante os confrontos. Nessa situação, o ser humano precisa entender seus limites e confiar na ação de Deus. Não existe dignidade adquirida apenas com as possibilidades humanas.

    Artigo anteriorVENCER AS TENTAÇÕES
    Próximo artigoSão Sérgio
    Dom Paulo Mendes Peixoto
    Como sacerdote na Diocese de Caratinga-MG dirigiu 11 paróquias, além de ter sido ecônomo, diretor Espiritual e professor do Seminário Diocesano de Caratinga. Já no episcopado assumiu a Diocese de São José do Rio Preto – SP e tornou-se bispo responsável pela Rede Vida de Televisão e bispo referencial para a Animação Bíblico-Catequética do Regional Sul 1. O seu lema é “Para o serviço à vida”.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    4 × 5 =