Um conselho de São Bento para te ajudar a focar no essencial

A sabedoria monástica nunca falha!

Muitos sociólogos estão estudando o fenômeno da “aceleração do tempo”, uma experiência importante em nossa sociedade que, muitas vezes, causa um sentimento de asfixia. O bombardeio constante de todos os tipos de demandas e o “excesso de tudo”, na verdade, revelam uma lacuna real a ser preenchida. Se nos envolvermos na espiral diária de responder cada vez mais às coisas que consideramos urgentes (mas que são supérfluas e superficiais) perderemos de vista a essência da nossa vida.

Faça tudo com moderação

São Bento, o pai da vida monástica no Ocidente, viveu uma Regra que pode ser adaptada à nossa maneira atual de viver. Quinze séculos depois, a sabedoria de São Bento permanece surpreendentemente relevante. Entre seus preceitos, há um conselho surpreendentemente simples de como manter o foco no essencial.

D. Xavier Oerrin, abade na Inglaterra, explica que, em relação a todas as coisas, “o homem precisa de medidas. Ele deve encontrar constantemente um equilíbrio entre excesso e falta”.

São Bento ressalta que somos tentados a seguir apenas uma direção, quando a vida exige um equilíbrio constante de esforços e atividades. Paradoxalmente, podemos até errar ao rezarmos demais, jejuarmos demais ou trabalharmos até a exaustão.

Esta é a razão para este conselho que São Bento transmitiu aos monges: é preciso sempre praticar o equilíbrio entre duas coisas contrárias para permanecer atento ao essencial. No caso dos monges beneditinos, isso significa equilibrar oração e trabalho, silêncio e canto, solidão e vida comum.

Mas como fazer tudo com moderação? São Bento diz que a medida certa não deve ser muito alta (como imitar certos feitos dos Padres do Deserto), nem muito baixa (como o modo de vida com o qual o monasticismo decadente de seu tempo era facilmente satisfeito).

Obviamente, o foco de cada dia, para os monges, é aproximar-se de Deus através da oração. Tudo está organizado em torno dessa prioridade, que leva ao essencial. Se definir prioridades na vida nem sempre é a coisa mais difícil, no entanto, respeitá-las e nos organizar adequadamente é um verdadeiro desafio.

Todos os distúrbios e exigências imprevistas da vida cotidiana dão poder à ditadura do urgente, de ter e fazer. É difícil imaginar não reagir ao e-mail de um cliente importante, por exemplo. Mas, às vezes, tirar um tempo para pensar na resposta pode torná-la muito mais criativa – e, portanto, mais eficaz! Segundo os monges beneditinos, quanto mais importante é a coisa, menos devemos nos apressar com ela.

Embora São Bento estivesse escrevendo para monges, os mesmos princípios se aplicam a todos nós. Como seus monges, nosso objetivo é nos aproximarmos de Deus e amarmos nosso próximo, embora com atividades mais variadas e públicas do que os beneditinos em uma abadia.

O trabalho é importante, mas igualmente importante é passar tempo com a família e reservar tempo para oração e lembrança. Manter-se atualizado sobre notícias e entretenimento só será a “medida certa” se também nos dermos um tempo para refletir sobre o que vimos, lemos e ouvimos, mantendo o que é bom, verdadeiro e bonito, enquanto rejeitamos aquilo que poderia nos desviar.

Evitar os extremos nos mantém literalmente “centralizados”. Isso nos ajuda a lembrar não apenas de “fazer” ou “ter”, mas acima de tudo, de “ser”.  Lembremos dessa sabedoria de São Bento em meio à perturbação de nossas vidas causada pela pandemia de coronavírus. Tomemos esse princípio como parte orientadora do nosso “novo normal”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

dezessete + oito =