JMJ: recordando o Encontro com Francisco em 2016 na Polónia

A JMJ regressa à Europa com a edição de 2023 em Portugal, depois do Panamá em 2019. Recordamos aqui a última edição no Velho Continente que foi em Cracóvia, na Polónia, em julho de 2016.

Rui Saraiva – Porto

No passado mês de abril o Papa Francisco adiou a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que vai ter lugar em Portugal. Esta passou de 2022 para 2023. Em tempo de pandemia foi a solução encontrada para organizar, com a devida segurança, este grande evento de juventude que tem encontro marcado para o mês de agosto de 2023.

A JMJ regressa, assim, à Europa após a sua edição no continente americano no Panamá em 2019. A última edição no Velho Continente foi na Polónia precisamente há quatro anos atrás no final do mês de julho de 2016. Recordamos aqui o essencial das mensagens que o Papa Francisco deixou aos jovens em Cracóvia, num encontro que juntou mais de 1 milhão e meio de jovens.

Com Cristo viver em fraternidade

No final da tarde de sábado dia 30 de julho o Papa encontrou-se com mais de um milhão e meio de jovens na Vigília de Oração da Jornada Mundial da Juventude no Campus Misericórdia de Cracóvia e afirmou que não nascemos para vegetar mas para mudar o mundo. Francisco declarou que a resposta a um mundo em guerra é a palavra fraternidade.

O Santo Padre no seu discurso convidou os jovens a darem as mãos pois “é mais fácil construir pontes do que levantar muros”.

“Sabeis qual é a primeira ponte a construir? Apertarmos as mãos. Força, fazei-o agora. É a ponte humana, o modelo. Que possam aprender a faze-lo os grandes deste mundo” – afirmou Francisco.

Eram tantas as mãos apertadas na Vigília da JMJ de Cracóvia em sinal de comunhão e reconciliação. O Papa atravessou a Porta da Misericórdia e fez um forte apelo aos jovens, provenientes de países e culturas diferentes, para caminharem pelos caminhos de Deus e contagiarem de alegria o mundo:

“ Pergunto-vos: quereis ser jovens adormecidos e atordoados? Quereis que outros decidam o futuro por vós? Quereis lutar pelo vosso futuro?”

Francisco convidou os jovens para a ‘escola da misericórdia’ para mudarem o mundo e com Cristo vencerem o mal vivendo em fraternidade:

“… não nos vamos pôr a gritar contra alguém, não queremos vencer o ódio com o ódio, vencer a violência com mais violência, vencer o terror com mais terror. E a nossa resposta para este mundo em guerra tem um nome: chama-se fraternidade…”

Oração, primeiro chat de cada dia

Domingo, 31 de julho de 2016, Missa conclusiva das Jornadas Mundiais da Juventude no Campus Misericordiae de Cracóvia. Na sua homilia o Papa disse aos mais de um milhão e meio de jovens que as JMJ “continuam amanhã, em casa” e exortou-os a dizerem não ao doping do sucesso a todo o custo e à droga de pensarem só em si mesmo e nas próprias comodidades.

O estímulo da homilia foi o Evangelho de S. Lucas que no seu capítulo 19 nos conta o encontro de Jesus com Zaqueu, cobrador de impostos e colaborador dos ocupantes romanos. Destaque especial para as palavras de Jesus a Zaqueu que parecem ditas de propósito para nós hoje:

“«Desce depressa, pois hoje tenho de ficar em tua casa». Jesus dirige-te o mesmo convite: «Hoje tenho de ficar em tua casa». A JMJ – poderíamos dizer – começa hoje e continua amanhã, em casa, porque é lá que Jesus te quer encontrar a partir de agora. O Senhor não quer ficar apenas nesta bela cidade ou em belas recordações, mas deseja ir a tua casa, habitar a tua vida de cada dia: o estudo e os primeiros anos de trabalho, as amizades e os afetos, os projetos e os sonhos. Como Lhe agrada que tudo isto seja levado a Ele na oração! Como espera que, entre todos os contactos e os chat de cada dia, esteja em primeiro lugar o fio de ouro da oração! Como deseja que a sua Palavra fale a cada uma das tuas jornadas, que o seu Evangelho se torne teu e seja o teu «navegador» nas estradas da vida!”

Cracóvia na Polónia foi o local onde há 4 anos atrás o Papa Francisco se encontrou com mais de 1 milhão e meio de jovens para a JMJ de 2016.

Depois da edição do Panamá em 2019 este grande evento de juventude regressa à Europa com o encontro em Portugal, em Lisboa, agendado para 2023.

Se a evolução da pandemia do coronavírus permitir o acolhimento dos símbolos da JMJ será no próximo Domingo de Cristo Rei a 22 de novembro em Roma.

Segundo D. Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa e responsável pela área executiva da JMJ, talvez no final deste verão sejam apresentados o hino e o logotipo do evento.

Entretanto, nas dioceses de Portugal estão a ser retomadas as atividades de preparação da JMJ que tinham sido suspensas por causa da pandemia.

Laudetur Iesus Christus

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

4 × 2 =