Dizer que sofre de depressão é o primeiro passo para a cura

Ato de colocar nossas emoções em palavras tem função terapêutica na doença que atinge 13,3 milhões de brasileiros

“Quem fala se liberta.” Essa é uma das premissas da prática clínica em psicologia. As pessoas tendem a não dar a devida importância ao peso dos ombros que se tira ao desabafar algo que nos aflige. Ao colocar em palavras, damos um nome ao objeto de nosso sofrimento e assim o distanciamos de nós. Fica mais fácil entender que aquilo não precisa fazer parte de nós. Este é um princípio fundamental do processo de cura, por isso tanta gente recorre à psicoterapia para conseguir sanar traumas profundos. Além dos insights direcionados pelo terapeuta, o simples ato de falar é parte do processo terapêutico. Pense no peso que um cristão não tira dos ombros ao se confessar perante o padre.

Mal do século

Acontece que quando se fala de depressão, existem profissionais capacitados para escutar um paciente e recomendar a melhor terapia, seja medicamentosa, seja no divã. E muita gente, diante de sintomas de depressão, tem medo de procurar ajuda ou mesmo de falar sobre o que está sentindo, muitas vezes temendo o estigma associado à depressão de ser taxado como louco.

Segundo um estudo divulgado pelo IBGE no ano passado, o número de maiores de 18 anos que afirma ter recebido o diagnóstico de depressão no Brasil teve aumento de 34% entre 2013 e 2019, saltando de 7,6% para 10,2% da população nacional. O que significa 16,3 milhões de pessoas, porém estima-se que o número de depressivos no país seja muito maior, uma vez que muitos sofrem em silêncio, seja por vergonha de reconhecer a doença ou simplesmente por não saber identificá-la.

Um relatório apresentado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) definiu a depressão como O Mal do Século, que em 2017 assolava ao menos 19% da população mundial (322 milhões de pessoas), com perspectiva de aumento nos anos seguintes.

Como reconhecer 

A depressão apresenta uma série de sintomas como falta de interesse pela vida, falta de motivação nas atividades do dia a dia, apatia, indecisão; sentimentos de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio; pessimismo, ideias constantes e desproporcionais de culpa, baixa auto-estima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou ideações suicidas.

Como definiu o escritor norte-americano Andrew Solomon no livro O Demônio do Meio-Dia – Uma Anatomia da Depressão (Companhia das Letras, 2001), a depressão seria uma falta de vitalidade generalizada. O autor fez do combate à doença de natureza psicológica sua cruzada pessoal e, à época do lançamento do livro, se apropriou de uma fala atribuída ao ativista Harvey Milk, dirigindo-se a qualquer pessoa que desconfie estar com depressão: “Saia e fale para alguém”. Trata-se de uma doença grave perante a qual não deveria haver qualquer remorso ou culpa. Não há por que sofrer em silêncio. Se desconfiar que esteja com depressão, procure ajuda profissional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

dezoito − 1 =