Ai daquele por quem o filho do homem vai ser traido

    Nunca se reflete demais sobre a maldade de Judas, traindo seu Mestre e Amigo.  Uma perfídia inominável. Ele se abrasara em tais chamas da idolatria ao dinheiro que pelo vil metal vendeu o seu Senhor, infinitamente bom e caritativo. Calculou em moedas o sangue preciosíssimo do Filho de Deus. Sua ingratidão foi sem limites para com aquele que o fizera tesoureiro do colégio apostólico e o havia enaltecido com a glória do apostolado. A obstinada dureza de seu coração não foi tocada nem pela familiaridade de última ceia, nem pela humildade que Jesus mostrou ao lavar os pés de seus discípulos, nem pela suavidade da  bondade que Ele irradiava. Admirável, porém, a paciência de Cristo para com seguidor tão iníquo, o pior de seus epígonos. De fato, tão grande foi a impiedade do traidor, quão enorme foi a tolerância de Jesus advertindo-o  abertamente: “Ai daquele por quem o Filho do homem vai ser traído (Mt 26,14-25). Se a deslealdade viesse de um inimigo declarado, maior não teria sido a paciência do Mestre divino, porque Ele estava na presença de alguém  no qual pusera sua confiança, o qual presenciara seus milagres e escutara tantas lições legadas por Ele. Judas deu o golpe da iniquidade que seria consumada por um ósculo hipócrita na face do Mestre como sinal para que seus perseguidores o pudessem distinguir e prender. Beijo abominável de um pérfido ser humano que faria do ósculo da paz, o indício da deslealdade. Bem se pode imaginar o horror dos demais apóstolos aterrorizados por tamanha infidelidade e vileza, Judas, um homem, venal, larápio e traidor, escravo de satanás. Por tudo isto, bem sabemos qual foi o seu fim terrível, pois foi  tomado depois pelas garras do desespero. Entregou o Mestre e não se arrependeu, De fato, se tivesse  tido esperança, um mínimo de confiança em Jesus ele não teria procurado o caminho do suicídio (Mt, 27,5). Ele que contemplara Cristo perdoando a tantos pecadores, ele que escutara a parábola do Filho pródigo e outras pregações sobre a ternura de Deus não assimilara os ensinamentos de Jesus. Ele devia temer e tremer pelo que fizera, mas era preciso que se lançasse aos pés do amigo traído e lhe pedisse perdão. É necessário que se tirem deste episódio da traição e desespero de Judas conclusões vivenciais. Jamais ter um coração tão empedernido que chegue às raias de tamanha perversidade. O Redentor está sempre disposto a anistiar todas as ingratidões e todas as faltas, mas quer um mínimo de certeza de que Ele perdoa sempre. É preciso orar por todos aqueles que a exemplo de Judas traem a Jesus e não procuram o caminho que leva a seu coração terno e misericordioso.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    dezesseis − seis =