ÚLTIMO DIA DA SEMANA BÍBLICA NACIONAL TRATOU SOBRE A IMPORTÂNCIA DOS CÍRCULOS BÍBLICOS

No último dia da Semana Bíblica Nacional, 10 de junho, iniciativa proposta pela Comissão para a Animação Bíblica-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), houve a reflexão sobre a importância dos círculos bíblicos, especialmente no Mês da Bíblica, na perspectiva da Carta aos Gálatas, tema central do Mês da Bíblia de 2021.

Biblistas – Um dos convidados foi o professor do Programa de Pós-Graduação em Teologia da UNICAP, Claudio Vianney Malzoni.  Ele falou sobre a preparação que os biblistas têm para elaborar materiais para ajudar as comunidades.

Claudio destacou a importância do biblista em si, o que elabora o texto-base, mas também a das comunidades, que estudam o texto-base e, a partir disso, animam. “O Mês da Bíblia é importante para fazermos essa interação entre comunidades”, disse Claudio.

Ele salientou as características que um biblista deve ter para se adentrar na dinâmica dos círculos bíblicos. Umas delas, segundo ele, é o rigor metodológico. A outra característica citada é a linguagem acessível.

Ainda de acordo com ele, é importante que o biblista saiba ouvir, participar junto com a comunidade eclesial. “Se só falarmos e não ouvirmos, então o trabalho que a gente faz vai refletir só a nós mesmos. Por isso, é importante sairmos do espelho, conversarmos com as pessoas, ouvir”, disse.

Já sobre a dinâmica dos círculos bíblicos, Claudio disse que os círculos são um incentivo a ouvir a Deus que fala na vida e na Bíblia. “Nós temos essas duas palavras de Deus: a palavra de Deus na vida e a palavra na Bíblia. Por isso que na dinâmica dos círculos bíblicos, esse ouvir a vida ganha uma importância muito grande”, diz.

“Quando nós que somos biblistas fazemos o estudo da Bíblia, nós também temos que fazer esse exercício de ouvir o que Deus nos fala na vida, na vida de cada um, na nossa vida, então essa dinâmica é também a de deixar os ouvidos abertos para escutar aquilo que Deus fala através da vida”, salienta.

“As vezes é difícil compreender a Bíblia, as vezes é difícil compreender a vida, mas a vida ajuda a compreender a Bíblia e a vida ajuda a compreender a Bíblia”, finalizou.

Círculos Bíblicos – O segundo convidado da live foi o padre João Batista Maroni, doutorando em Teologia pela PUC-Rio. Ele falou sobre a importância dos círculos bíblicos no caminho de animação bíblica da pastoral.

Padre João explicou que os grupos se reúnem continuamente para estudar a Palavra de Deus. “Ora a fonte são os momentos temáticos da Igreja, como a CF, o Mês da Bíblia, o Mês Missionário, Mês Vocacional. Ora são os Evangelhos temáticos ou os temas próprios das dioceses, então a Palavra de Deus é o carro chefe de toda essa reflexão”, disse.

Para o padre, a experiência do círculo bíblico vem ajudando a definir um pouco o lugar do círculo bíblico, a sua identidade, o seu papel na vida da Igreja.

“A experiência tem nos mostrado que o círculo bíblico tem que estar plantado numa comunidade eclesial, seja ela uma comunidade missionária, uma comunidade de base, mas uma comunidade de Igreja, uma comunidade eclesial. O círculo não pode existir sem essa raiz, o de ser plantada na comunidade eclesial”, afirmou.

Segundo o padre João, a vida numa comunidade eclesial alimenta o círculo bíblico. “A vida da comunidade é a própria palavra de Deus na vida. E a palavra de Deus na Sagrada Escritura vai alimentar e orientar as ações e a reflexão dos círculos”, diz.

Ainda conforme o padre, o círculo bíblico é especificamente o mergulhar na Palavra de Deus. “Sempre digo que a função do círculo é descobrir a Palavra de Deus. É ajudar as pessoas a ter contato com a Palavra de Deus, que está escondida nas letras da Bíblia, nas palavras da Bíblia”.

“O círculo tem essa dinâmica de descoberta da Palavra de Deus escrita nas sagradas escrituras. O círculo concorre para a animação dessa forma – bebendo da Palavra para que ela seja essa fonte de vida para a Igreja e fonte de vida para a própria vida”.

Animação Bíblica – Mariana Aparecida Venâncio, Doutorando em Estudos Literários pela UFJF, foi a terceira convidada da live e partilhou um pouco de sua experiência na animação bíblica na Igreja.

Na ocasião, Mariana defendeu que os círculos bíblicos promovem a aproximação das comunidades com a Palavra de Deus.

“A experiência dos círculos bíblicos difunde a Palavra de Deus. Ela faz com que a Palavra de Deus seja visita nos nossos encontros litúrgicos, nas celebrações dos nossos sacramentos, mas que ela esteja mesmo na mão do povo, em pequenos grupos para refletir sobre a Palavra de Deus, para falar da Palavra de Deus, então além de um espaço de reflexão o círculo bíblico acaba sendo também um espaço de catequese, que é um espaço muito importante dentro das nossas comunidades”, disse.

Assista a live na íntegra:

A Semana Bíblica Nacional

A Semana Bíblica Nacional aconteceu de 7 a 10 de junho. O evento, em modalidade virtual, marcou o início da celebração do jubileu de ouro do Mês da Bíblia.

No dia 7, na abertura, houve uma mesa redonda com a participação de dom José Antônio Peruzzo, presidente da Comissão; dom Jacinto Bergmann; a irmã Zuleica Silvano (Paulina); o imrão José Nery (Lassalista) e o padre Jânison de Sá Santos.

Na segunda noite, dia 8, foi apresentado o tema do Mês da Bíblia para o ano de 2021, com o autor do texto-base, o professor Joel Antônio Ferreira.

O tema do dia 9 foi a missão de Paulo Apóstolo com a participação da irmã Aíla Pinheiro, da Congregação Nova Jerusalém, e o  padre Benedito Antônio Bueno de Almeida (Paulino).

O tema do último dia, 10, foi a importância dos círculos bíblicos no Mês da Bíblia na perspectiva da Carta aos Gálatas, com a participação do professor Cláudio Vianney Malzoni; Mariana Aparecida Venâncio e o padre  João Batista Maroni.

A Semana Bíblica pôde ser acompanhada pelas redes socias da CNBB (@cnbbnacional); Edições CNBB (cnbbedicoes) e no canal da Catequese do Brasil (catequesedobrasil).

Leia mais:

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

dois × um =