Semana da Consciência Negra reforça necessidade do diálogo sobre racismo

Por ocasião do Dia Nacional da Consciência Negra, dia 20 de novembro, uma série de atividades está sendo realizada no país para fazer alusão à data.

“Desde 2003, o governo federal tem uma escuta diferenciada das demandas do movimento negro em relação à superação do racismo, com o estabelecimento de dois marcos: a Lei 10.639, que altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e a inauguração da Seppir [Secretaria de Políticas Públicas para a Igualdade Racial], com o objetivo de fazer uma discussão interna e promover políticas públicas do governo federal nas mais diferentes áreas, visando a promoção da igualdade racial”, afirma a ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes.

Para Nilma, o Dia Nacional da Consciência Negra é uma data para reflexão, discussão e para comemorar a presença negra na sociedade brasileira e sua grande participação na constituição do país.

Cerca de 1 mil municípios já decretaram o dia de reverência a Zumbi dos Palmares como feriado municipal. Com atividades de reflexões, debates e mobilizações, o Dia Nacional da Consciência Negra envolve uma parcela da sociedade brasileira em torno dos ideais de igualdade racial e respeito à diversidade.

“Hoje, essa data tem um significado mais profundo para a sociedade brasileira. A gente para um momento para discutir os limites e os avanços da superação do racismo em nossa sociedade. É um momento para analisarmos como essas políticas têm avançando ou não para pensarmos em novas ações, tanto nas esferas municipal, estadual e federal, além de outras instâncias”, considera a ministra. Compõem o calendário da Semana Nacional da Consciência Negra de 2015 o lançamento da campanha Novembro pela Igualdade Racial, a Marcha das Mulheres Negras, a Conferência Livre das Mulheres Quilombolas e de Matriz Africana, entre outras atividades, conforme pode ser conferido abaixo.

Campanha
Reafirmar a necessidade do diálogo acerca do racismo, enraizado na sociedade brasileira, e mostrar a importância das ações e políticas de promoção da igualdade racial. Com estes objetivos, o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos lançou esta semana a campanha “Novembro pela Igualdade Racial”. Composta por um vídeo para TV, uma página no Portal Brasil e peças publicitárias para a Internet, a campanha “Novembro pela Igualdade Racial” busca indicar caminhos para que a população, em geral, possa se engajar na causa.

A ação contribui para reverter representações negativas da pessoa negra na mídia, que sustentam as ações de negação simbólica e as diversas formas de violência, bem como reconhecer e valorizar a história e a cultura negra em suas formas de existência e resistência. Para apoiar a campanha na Internet, o público pode promover a hashtag #LugardoNegro, que tem o objetivo de incentivar a discussão na sociedade sobre o tema.

Assista ao vídeo da campanha “Novembro pela Igualdade Racial”

Histórico
A data, 20 de novembro, lembra o dia em que Zumbi dos Palmares foi assassinado, em 1695. A República de Palmares é um dos principais símbolos da resistência negra à escravidão. Em 1971, ativistas do Grupo Palmares, do Rio Grande do Sul, constataram a data da execução de Zumbi e iniciaram uma série de comemorações anuais, elevando-a como data de referência negra. Sete anos depois, o Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial incorporou a data como celebração nacional e tornou Zumbi dos Palmares um herói nacional, vinculado diretamente à resistência do povo negro.

Em 2003, a Lei 10.639/03, sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, estabeleceu o 20 de novembro como Dia Nacional da Consciência Negra, integrando a data ao calendário escolar brasileiro. Já em 2011, a Lei Nº 12.519 instituiu a data como Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra.

PROGRAMAÇÃO
19 de novembro
Ato de entrega de títulos a comunidades quilombolas
Horário: Manhã (a definir)
Local: Palácio do Planalto – Brasília (DF)
Seminário A Década Internacional de Afrodescendentes e os desafios da Educação Superior
Horário: 9h às 13h
Local: Universidade de Brasília (UnB) – Auditório Joaquim Nabuco
Parceria: Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab)

ATIVIDADES DA MARCHA DAS MULHERES NEGRAS
14 a 18 de novembro
Feira de Empreendedorismo Antirracista, Feminista e Criativo – KINAH
Horário: 10 às 20h
Local: Museu da República – Esplanada dos Ministérios – Brasília (DF)
Oficinas – Debates – Rodas de Diálogo – Apresentações Culturais

18 de novembro
Marcha das Mulheres Negras
Horário: A partir das 10h
Local: Saída do Ginásio Nilson Nelson em direção à Esplanada dos Ministérios – Brasília (DF)

20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra
Encontro com a Juventude Negra: Desafios de uma política de enfrentamento à violência contra a juventude negra
Horário: 16h
Local: Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) da Ceilândia (DF)

Fonte: POM

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

três × dois =