Santa Isabel da Hungria

Noiva aos quatro anos, casada aos catorze, mãe aos quinze e viúva aos vinte, Isabel, princesa da Hungria e duquesa da Turíngia, encerrou sua vida terrena aos vinte e quatro anos a 17 de novembro de 1231. Quatro anos depois o Papa Gregório IX a elevava às honras dos altares. Vistas assim, em rápida sucessão, as etapas da sua vida têm a cor de fábula, mas se olharmos para além do quatro oleográfico desta jovem santa, aí descobriremos autênticas maravilhas da graça e da virtude.

Seu pai, o rei André da Hungria, primo do imperador da Alemanha, a havia prometido para esposa de Luís, dos duques da Turínsia, de apenas 11 anos; nove anos depois foram celebradas as núpcias, e embora tivesse sido um casamento decidido pelos pais, foi um trimônio de amor e um feliz entrosamento entre a ascese cristã e a felicidade humana, entre o diadema real e a auréola da santidade. A não querer ir a Igreja adornada com os preciosos atavios da sua casta: “Como poderia – disse candidamente – usar uma coroa tão reciosa diante de um rei coroado de espinhos?” Somente o marido, ternamente enamorado por ela, quis mostrar-se digno de uma criatura tão linda de rosto e de alma e tomou por brasão na sua divisa três palavras que também exprimiram concretamente o programa de sua vida pública: “Piedade, Pureza e Justiça”.

Cresceram juntos na emulação recíproca, confortados e sustentados pela devoção; seu amor e a felicidade que dele derivara era um dom sacramental. Confidenciava a jovem duquesa a doméstica e amiga Isentrude: “Se eu amo de tal modo uma criatura mortal, como deveria amar ao Senhor imortal, dono da minha alma?”

Aos quinze anos Isabel teve o seu primeiro filho, aos 17 uma menina e aos vinte, outra menina, quando já fazia três semanas que tinha perdido o marido, morto durante a cruzada a qual havia aderido com entusiasmo juvenil. Nessa oportunidade Isabel tinha dado o seu contributo, privando-se tudo o que possuía para construir um hospital em Marburg, em honra de São Francisco, seu contemporâneo.

Ficando viúva, desencadearam-se contra ela os mais humores dos cunhados, que não suportavam sua generosidade para com os pobres. Separaram-na dos filhos e expulsaram-na do castelo de Wartemburg. Então, pôde viver o pleno ideal franciscano de pobreza, entrando na Ordem terceira, para dedicar-se em absoluta obediência as diretivas de um rigido e intransigente confessor e as atividades assistenciais.

Santa Isabel da Hungria, Rogai por nós!

Outros Santos do mesmo dia: Santo Gregório,  Taumaturgo, Santo Dionísio de Alexandria, Santos Alfeu e Zaqueu, Santos Aciclo e Vitória, Santo Aniano de Orléans, Santo Gregório de Tours, Santa Hilda, Santo Hugo de Lincoln, Beato Salomé, Beata Joana de Segna, Beata Isabel a Bondosa e Beato Josafá Kocylovsky.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

3 × 3 =