Primavera: a vida renasce

    Todas as estações do ano têm a sua beleza e seu charme, mas a primavera se destaca. Uma explosão de vida se manifesta em forma de flores, brotos, folhas, cores e cantar dos pássaros. O que estava adormecido acorda convidando para a renovação e mostrando a sua força de sempre recomeçar. É a natureza se manifestando, atraindo e provocando.
    A admiração é o primeiro sentimento agradável despertado diante da estação extraordinária da primavera. Ao dirigir o olhar para o horizonte ou fixá-lo numa minúscula flor, fica-se perplexo pela variedade de espécies, com formatos e dimensões diversos, pelas cores com suas diversas tonalidades e harmonia.  A admiração não acomoda o olhar no superficial ou no evidente, mas desperta curiosidade, aprofundamento, veneração, reflexão e ação.
    Louvar a Deus, o criador, pela bela obra da criação é dever das criaturas. São Francisco de Assis, já muito doente e com dores, compôs um belo louvor, denominado “Cântico das Criaturas”. Retomo parte deste hino para cantar com São Francisco: “Altíssimo, onipotente, bom Senhor, teus são o louvor, a glória e a honra e toda bênção. Só a ti, Altíssimo, são devidos; e homem algum é digno e te mencionar. Louvado sejas, meu Senhor, com todas as suas criaturas, especialmente, meu Senhor, pelo irmão sol, que clareia o dia e com sua luz nos alumia. E ele é belo e radiante com grande esplendor: de ti, Altíssimo é a imagem. Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã lua e as estrelas, que no céu formaste claras e preciosas e belas. Louvado sejas meu Senhor, pelo irmão vento, pelo ar, ou nublado ou sereno, e todo o tempo pelo qual às tuas criaturas dás sustento. Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã água que é mui útil e humilde e precisa e casta. …Louvado sejas meu Senhor, por nossa irmã e mãe terra que nos sustenta e governa e produz frutos diversos e coloridas flores e ervas”.
    Cuidar da natureza para que continue renovando a vida presente e para as gerações futuras é compromisso de todos. Em 2015, o papa Francisco nos presenteou com a carta encíclica Laudato Sí, “Sobre o cuidado da casa comum” conclamando os cristãos católicos e todas as pessoas que quiserem se agregar para ouvir o clamor da mãe terra pelos males a ela causados. Mesmo a natureza sendo forte, bela e com grande capacidade de recomeçar, ela necessita ser cuidada. Afirmou o Patriarca Bartolomeu que “um crime contra a natureza é um crime contra nós mesmos e um pecado contra Deus” (in Laudato Sí n.º 8). A preocupação deve ser com a chamada ecologia integral que engloba a natureza, a justiça social, a economia, o empenho social e a construção da paz. Fazer isto com simplicidade, com pequenos e grandes gestos, e com alegria.
    Louvados sejas, meu Senhor, por sermos suas criaturas e por vivermos num universo tão belo.

    Dom Rodolfo Luís Weber
    Arcebispo de Passo Fundo
    23 de setembro de 2016

     

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    19 − quinze =