Por que o padre beija o Evangelho na Missa?

Essa tradição é antiga e tem um rico simbolismo

A prática atual do Rito Romano da Igreja Católica instrui o padre ou diácono a beijar o livro dos Evangelhos após sua leitura. Quando na presença de um bispo, cardeal ou papa, o livro será levado a eles e a mais alta autoridade dentro da hierarquia da Igreja beijará o livro.

Essa tradição é antiga e tem um rico simbolismo. Nikolaus Gihr, em seu livroThe Holy Sacrifice of the Mass (“O Santo Sacrifício da Missa”), explica:

“O Livro dos Evangelhos, ou melhor, o texto sagrado dos Evangelhos em geral, representa nosso próprio Salvador divino e era, portanto, sempre um assunto de veneração religiosa … Depois de provar e experimentar, através do Evangelho, quão doce é o Senhor, quão sem falhas é Sua doutrina, quão bom e refrescante são Suas consolações e promessas, o coração do sacerdote transborda de felicidade e alegria, e ele beija as palavras de vida eterna, a fim de testemunhar sua profunda reverência, seu grande e ardente amor por elas.”

O Concílio Vaticano II reiterou essa crença de que Jesus se faz presente de maneira especial quando a Palavra é proclamada na Missa:

“Ele está presente em Sua palavra, pois é Ele mesmo quem fala quando as sagradas escrituras são lidas na Igreja”.

Isso não substitui a presença real de Jesus na Eucaristia, mas serve para nos lembrar do poder particular da Palavra de Deus.

Com isso em mente, não deveria surpreender o fato de os primeiros cristãos desejarem beijar o livro dos Evangelho na Missa. Isso era feito para expressar o amor a Deus e o reconhecimento de sua presença em sua Palavra.

Em um livro sobre a Missa, Thomas Frederick Simmons explica esse gesto, ao se referir a vários documentos e outras liturgias da Igreja Oriental:

O Ordo Romanus descreve o diácono, depois de ler o Evangelho, como entregando o livro ao subdiácono, que o segurou diante do peito, acima de sua casula, para ser beijado primeiro pelo bispo e pelo clero e depois pelo povo … ”

Nas igrejas gregas, a mesma regra é observada … o sacerdote, conforme indicado na rubrica, pode ser visto entrando na nave, e o Evangelhos é beijado por homens, mulheres e filhos da congregação.

Benandot cita a regra da liturgia copta, segundo a qual o povo deve seguir o exemplo dos padres e beijar o livro dos Evangelhos quando este lhes foi trazido, depois de lido.

O gesto de beijar o livro do Evangelho prevaleceu em várias regiões até o século XIII, quando se tornou expressamente reservado ao clero.

Os católicos ainda são incentivados a beijar a Bíblia, mas não no contexto da liturgia. Faz sentido que a tradição mais antiga de permitir que todos beijem o Evangelho não faça mais parte da liturgia, pois essencialmente criaria outra “linha de comunhão” e prolongaria a duração da Missa.

No entanto, é uma tradição bonita, que reconhece o poder das palavras de Jesus no Evangelho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

um + vinte =