Maria Madalena e as suas “irmãs”

No dia em que a Igreja celebra Santa Maria Madalena, refazemos o itinerário místico que a apóstola dos apóstolos representa, e redescobrimos as diferentes figuras de mulheres presentes nos Evangelhos que convergem nela

Antonella Lumini

De acordo com a tradição medieval, a iconografia de Santa Maria Madalena reúne, como peças de um único mosaico, várias mulheres presentes nos Evangelhos. A leitura espiritual que deriva dos Padres, e em particular de Gregório Magno, tem como objetivo trazer à tona, através das diversas figuras femininas que constelam a variada imagem de Maria Madalena, um verdadeiro itinerário místico.

Citada entre as mulheres que seguem Jesus (Marcos 15, 40), como aquela que é libertada de sete demônios (Marcos 16, 9; Lucas 8, 2), presente entre as que vão ao túmulo para ungir o corpo de Jesus, em João ela assume seus aspectos mais importantes: está sob a cruz (João 19, 25), e é a primeira testemunha da ressurreição enviada para anunciá-la aos apóstolos (João 20, 1-18).

Amada por Jesus

A tradição antiga reforça sua intensidade ao incorporar elementos trazidos à luz por outras mulheres. A pecadora que lava os pés de Jesus com suas lágrimas e os seca com seus cabelos (Lucas 7, 36-38); a mulher de Betânia que asperge o frasco cheio de nardo sobre a cabeça de Jesus (Mateus 26, 1-13; Marcos 14, 1-9). Uma história semelhante é repetida em João, onde, no entanto, a mulher é Maria de Betânia, irmã de Marta e Lázaro, e ela não espalha na cabeça, mas nos pés de Jesus, secando-os com seus cabelos como na primeira narração (João 12, 1-8).

A profundidade da figura é delineada, assumindo o caráter de um verdadeiro itinerário de transformação que, apesar dos resultados da abordagem filológica histórica, ainda sobrevive nas consciências. O encontro com o amor de Cristo liberta a pecadora, a quem, como resulta nas palavras de Jesus pronunciadas na casa de Simão o fariseu: “seus numerosos pecados lhe estão perdoados, porque ela demonstrou muito amor” (Lc 7, 47). A pecadora, sentindo-se aceita, amou Jesus com um amor ardente e, por isso, foi profundamente perdoada.

As passagens referentes a Maria de Magdala falam de sete demônios, aludindo ao estado de pecado, mas na mulher anônima de Lucas é especificada uma pecadora, o que dá uma conotação precisa ao pecado. Apesar disso, o amor ardente que a une a Jesus faz dela a amada, que na tradição assume vários aspectos, mas que na leitura espiritual indica aquela que vive com Jesus uma íntima comunhão de amor, tão ardente que a leva a compartilhar a paixão, a permanecer sob a cruz, a tornar-se a primeira testemunha ocular da ressurreição.

União mística

Desde as fontes mais antigas ela é chamada de apóstola dos apóstolos porque foi enviada por Jesus para anunciar a ressurreição a seus irmãos. Junto com Maria, a mãe, e João, o discípulo amado, ela forma o fio áureo de um anúncio que é transmitido através da comunhão íntima com Jesus, que podemos definir como união mística. Portanto, ao lado do anúncio trazido pela pregação, que caracteriza a Igreja Petrina, um anúncio mais escondido, interior e silencioso, mantido sempre vivo pelo fogo do Espírito Santo e que, apesar de muitas tentativas de asfixiá-lo, nunca poderá morrer. “Senhor, e este? Jesus lhe disse: Se eu quero que ele permaneça até eu venha, o que te importa? Quanto a ti, segue-me” (Jo 21, 21-22).

Grande devoção popular

Um caminho místico que se abre não só para os poucos escolhidos, como Maria, a mãe, que entra pela pureza e graça, ou João, o discípulo amado, mas também para os que, como Maria Madalena, entram pelo conhecimento do pecado. Ela faz disso uma possibilidade para todos. Isto explica sua grande devoção popular.

O pecado pode ser transformado em um instrumento de graça e de salvação. Maria, a mãe, é o silêncio, o amor puro. João é o amor místico em sua revelação. Maria Madalena, por outro lado, é o amor à transmutação que requer a assunção das trevas para poder consumi-la. O anúncio da ressurreição requer a revelação de todas as misteriosas dimensões do amor que, no itinerário místico guiado pelo Espírito, não podem ser cronológicas, mas sempre entrelaçadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

um × cinco =