A Palavra

    A celebração da memória de São Jerônimo, no final do mês, provoca a reflexão sobre força da palavra, especialmente a Palavra de Deus. Jerônimo (+ 420) era presbítero, filósofo, retórico e gramático, capaz de escrever e pensar em latim, em grego, em hebraico. Os seus escritos e a sua presença revelavam uma personalidade forte. Dedicou grande parte da sua vida para tornar acessível a bíblia e mostrar a sua riqueza.
    A carta aos Hebreus, capítulo 4, versículo12, diz: “Pois, a palavra de Deus é viva, eficaz e mais penetrante que qualquer espada de dois gumes. Penetra até dividir alma e espírito, articulações e medulas. Julga os pensamentos e as intenções do coração”.
    É uma palavra viva e eficaz porque é próxima da vida real, fala a partir dos fatos da realidade e exprime o pensamento divino em palavras verdadeiramente humanas. A proximidade permite criar um ambiente de diálogo. O diálogo é possível onde existe escuta e resposta. Ouvir exaustivamente as argumentações do outro e manifestar-se. A conclusão de um diálogo é imprevisível, pois pode ter aceitação da argumentação, mudança de posicionamento ou não. A bíblia se desenvolve nesta perspectiva dialógica. Dialoga sobre as realidades cotidianas e as transcendentes.
    O texto citado fala que a palavra de Deus ajuda a fazer o discernimento. Constantemente há a necessidade de fazer escolhas, tomar posição, decidir. Nem tudo na vida é tão evidente, principalmente quando se trata das decisões existenciais. A existência de inúmeras palavras, nas quais estamos imersos, influenciam nas decisões. Quais delas são as mais profundas? Quais delas vão além das aparências e do imediato. Quais delas falam daquilo que precisamos ouvir e não somente aquilo que queremos ouvir? Uma palavra acertada numa tomada de decisão é sabedoria.
    A palavra de Deus “julga os pensamentos e as intenções do coração”. Em outras palavras, julgar pensamentos e ações é uma preocupação com as possíveis ações. É reduzir o risco de errar. O julgamento de erros sempre é doloroso para quem errou, além de ser impossível reparar totalmente os danos causados. A palavra de Deus querendo o bem começa julgando os pensamentos e as intenções antes de se concretizarem em ações. É o método do cuidado, da prevenção.
    A palavra de Deus para manter-se palavra de Deus na atualidade exige discernimento no seu uso. É ter a capacidade de reinterpretar ou de reler o texto no contexto em que se encontra o indivíduo e a comunidade. Em meio a mudanças de época, vale a recomendação “para que possais distinguir o que é da vontade de Deus, a saber o que é bom, o que lhe agrada, o que é perfeito” (Romanos 12,2). Não acrescentando novos preceitos, nem apagar os que estão escritos, mas orientar as decisões morais, segundo o Evangelho.
    A cultura atual tem a força das imagens. Creio, porém, que não podemos subestimar a força das palavras proferidas. Escutamos que fulano “falou e não cumpriu”, “disse que vinha e não veio”, “o que me disse me machucou” além de uma infinidade de expressões que revelam o poder da palavra. Palavras afagam, consolam, orientam, mas também induzem ao erro, agridem, recriminam e fazem sofrer. Usar palavras na hora certa, no lugar certo e para a pessoa certa é sabedoria. A palavra de Deus é referência para as nossas palavras.

    Dom Rodolfo Luís Weber
    Arcebispo de Passo Fundo
    09 de setembro de 2016

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    12 − seis =