Francisco recebe “Somos – Community Care”

A Organização “Somos – Community Care” é protagonista da assistência global da pessoa, através dos seus médicos e agentes no campo da saúde.

Cidade do Vaticano

O Santo Padre concluiu sua série de audiências, na manhã desta sexta-feira (20/9), recebendo na Sala Paulo VI, no Vaticano, cerca de 650 participantes no Simpósio promovido pela Organização “Somos – Community Care” (“Somos – Comunidade de Assistência”).

Esta organização norte-americana, com sede em Nova Iorque, debateu, em seu Simpósio, o tema: “A família de imigrantes e suas exigências no campo da saúde”, um assunto muito querido pelo Papa, que interpela a nossa consciência.

Em sua saudação aos numerosos presentes, Francisco recordou que, há vários anos, a Organização se dedica, na cidade de Nova Iorque, à assistência da saúde dos que vivem à margem da sociedade, em situações de pobreza e fome. Deste modo, disse o Papa, seus membros difundem a cultura do encontro, “onde ninguém é descartado ou desqualificado”. E ponderou:

Sua organização distingue-se pela relação de empatia e confiança, que consegue estabelecer com os enfermos e suas famílias, compartilhando da sua vida e sendo solidária com a sua cultura e língua, favorecendo o mútuo relacionamento humano”.

Com efeito, a atitude desta Organização de assistência, frisou o Papa, deve ser encorajada em uma sociedade, que tende a desenvolver em si “certo individualismo que, com uma mentalidade utilitarista, produz a globalização da indiferença”. Neste sentido, toda pessoa, que não corresponde aos cânones do bem-estar físico, mental e social, corre o risco de ser marginalizada e excluída. E ressaltou:

Seu compromisso cotidiano visa contrastar esta cultura de descarte, que predomina em muitos contextos sociais. Assim, vocês são protagonistas de um cuidado global da pessoa, que coloca à disposição, com generosidade e altruísmo, um serviço composto de médicos e agentes no campo da saúde, que garantem benefícios da medicina preventiva, terapias e reabilitação”.

Esta solidariedade com os doentes, afirmou Francisco, é um verdadeiro tesouro e um distintivo de cuidados e assistência, que colocam ao centro a pessoa e suas necessidades.

Hoje, recordou o Papa, a assistência à saúde é reconhecida como um direito humano universal e como uma dimensão essencial do desenvolvimento humano integral. No entanto, em nível  mundial,  permanece ainda um direito apenas de poucos, proibido a muitos. Algumas vezes, a assistência ao paciente é dominada pela tecnicidade, que acaba prevalecendo sobre a pessoa, desnaturando seu sentido último. E Francisco destacou:

Não devemos esquecer que a assistência é expressão de um compromisso profundamente humano e cristão, assumido e desenvolvido mediante uma atividade, não apenas técnica, mas de dedicação total e incondicional de amor ao próximo“.

Vez por outra, ressaltou o Pontífice, as intervenções médicas nem sempre produzem a cura física, mas a assistência à saúde, prestada com coração verdadeiramente humano, terá a capacidade de fazer bem à vida, no corpo e no espírito.

Francisco concluiu seu pronunciamento afirmando que “o compromisso do assistente com o paciente encontra a sua expressão mais profunda e eficaz quando é animado pelo amor”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

12 + doze =