Como será a cerimônia de canonização de Irmã Dulce

Conheça os detalhes deste momento histórico para os devotos do Anjo Bom da Bahia

No próximo domingo, 13 de outubro, a religiosa baiana Irmã Dulce será canonizada pelo Papa Francisco durante uma Missa na Praça São Pedro, em Roma.

Como será a cerimônia de canonização

A missa do ritual de canonização inicia-se com um canto e, logo depois, o Papa abre a celebração.

Em seguida, há um canto de “invocação do Espírito Santo” com a finalidade de pedir a Deus que ajude o Papa a tomar uma decisão acertada.

Dentro do ritual, o cardeal prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, Dom Angelo Becciu, “apresenta” ao Papa os novos santos lendo uma pequena biografia de cada um.

Depois vem o canto de uma “ladainha” na qual a Igreja invoca a intercessão de todos os santos. Mais uma vez, a ideia é pedir que todos eles ajudem o Papa a tomar a decisão mais certa.

Finalmente vem a “fórmula da canonização”. Depois que o Papa lê esse texto em latim, eles passam a ser reconhecidos oficialmente como Santos pela Igreja em todo o mundo.

A fórmula

Esta é a fórmula usada pelo Papa no ápice da canonização:

“Em honra da Santíssima Trindade, pela exaltação da fé católica e para incremento da vida cristã, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e Nossa, depois de refletir por muito tempo, ter invocado a ajuda divina e ouvido a opinião de muitos Irmãos no Episcopado, declaramos e definimos Santos os beatos [são citados, então os nomes dos novos santo] e os inscrevemos no registro dos santos, estabelecendo que em toda a Igreja eles sejam devotamente honrados entre os santos. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

Júbilo e ação de graças

Em seguida, há um canto de comemoração para celebrar a canonização e agradecer a Deus.

O cardeal prefeito agradece ao Papa pela decisão e pede que ele redija uma “carta apostólica” como um documento que formaliza a canonização.

A partir desse ponto, a Missa continua normalmente, como uma Missa comum de domingo: com leituras da Bíblia, a homilia do Papa, a consagração do pão e do vinho e a comunhão.

É comum, no Vaticano, que logo após a missa o Papa reze a tradicional oração do Ângelus, na Praça de São Pedro.

As imagens dos novos santos permanecem expostas na Praça de São Pedro desde o início da Missa – diferentemente da “beatificação”, quando a imagem ou foto oficial é revelada só durante a Missa.

Com informações de Gaudium Press 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

16 + 16 =