Desafios apaixonantes

    Dom Helder Câmara, ao recordar os 111 anos de sua vida no mundo (7/2/2020), nos ajuda no sentido de pensar, com seu exemplo, numa vida com marcas de responsabilidade e resistência, incontestáveis, como nossos cactos – ou mandacarus – nordestinos, vegetações de uma importância incomensurável, que produzem flores raras e resistem às adversidades do tempo, sem nos esquecermos de tantas pessoas de alma e coração grandes e generosos.

    Somos convidados a vivermos a justiça de Deus, numa prática solidária. Quando vemos crianças e adolescentes presentes no mundo, pensamos que aqui há uma responsabilidade cristã dos adultos. São criaturas de Deus que pedem mais do que palavras: pedem e esperam uma vida exemplar dos que vivem a proposta de Jesus de Nazaré dentro da Igreja, sendo sinal no mundo, atingindo em cheio seu interior, com marcas indeléveis de afáveis ternuras.

    Querem abraços, sorrisos e respeito, sim, num encanto consequente, não só no sentido de serem tocadas pela bondade de Deus, mas que lhes venha a certeza da presença desse mesmo Deus, num amor de tal modo duradouro e verdadeiro, no convencimento de viverem tempos novos, preciosos e indispensáveis, perseguindo a construção do próprio futuro: em Deus e com Deus.

    Aqui podemos nos valer, tendo presentes os sinais luminosos da presença de Deus, no seguinte pensamento de Dom Helder: “Quando os problemas parecem ser absurdos, os desafios são apaixonantes”. A vida humana deveria se voltar, em resumo, para uma estreita comunhão com o próximo, redescobrindo nele sinais da presença afável de Deus, a partir do Seu amor, pela proteção da vida das pessoas, vendo-as, não como objeto, mas tendo presente seu bem maior, isto é, sua realização no sentido mais amplo. Assim seja!

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    cinco × 3 =