Semana de Nossa Senhora Aparecida

    Continuando as catequeses com ênfase para a nossa missão com a juventude, vamos aprofundar agora o papel da Virgem Maria e suas consequências na vida de nossa juventude, visto que nesta sexta feira, celebraremos de forma solene, a padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida. O “sim” de Maria na Anunciação foi dito na solidão, mas lança-a numa aventura comunitária. Deus tomou a iniciativa na Anunciação, mas o movimento da Encarnação é dirigido a todos. É o movimento em que a Palavra se faz carne no nosso mundo e na nossa história. Em Maria, o Filho caminha para sua “hora”, a hora em que a Palavra deve se tornar Eucaristia e Igreja para toda a humanidade.

    Na Visitação, vemos Maria consciente da dimensão de tudo o que aconteceu. Ela visita sua parenta Isabel colocando-se a serviço, mas no curso da visita surge a oportunidade das duas primas reconhecerem a graça recebida por ambas, repartindo também a alegria. Esse é o momento para Maria contar a sua experiência sobre tudo o que Deus fez em sua vida.

    Com o “Magnificat” (Lc1,46-55), se fala de uma “revolução do amor” que tinha começado nela. O amor derramou-se sobre a terra, e a pequenez e a humildade de Maria estão no coração dessa “divina revolução”. Ela proclama o Senhorio de Deus: “porque o Todo-Poderoso fez grandes coisas por mim”.

    Maria compreende, mais do que qualquer outra pessoa, que a graça é pura gratuidade. O que está acontecendo não é obra sua. Ela sabe também que a liberdade que lhe foi dada tem em vista essa “revolução” que está eclodindo no mundo. O Magnificat fala de suas implicações sociais e históricas; não há praticamente demarcação entre a sua experiência única e as inúmeras gerações que virão, pois Maria entrou em comunhão com todas as gerações, tendo em vista o destino comum: sermos introduzidos na bondade misericordiosa de Deus.

    O nascimento do Menino Jesus traz alegria. A morada do Filho, “que está voltado para o seio do Pai” (Jo1,18), assume a forma do ser ternamente embalado nos braços da mãe. Mas esse nascimento significa para Maria também uma separação, uma antecipação daquela espada que lhe traspassará a alma.

    Nos primeiros anos do crescimento de Jesus, o papel de Maria é crucial para a sua missão. Dos lábios da mãe, o menino escuta e repete o som humano do nome do Pai. Maria transmite a tradição divina de seu povo, o povo de Israel.

    O empenho e a liberdade de Maria na revolução de amor são tais que por ela Jesus aprende, em termos humanos, que os limites advindos do pecado original podem realmente ser superados e rompidos. Consegue divisar nela a nova humanidade que diz sim a Deus.

    A atmosfera da Família de Nazaré é tal que a torna também uma escola de educação recíproca. Ela vê Jesus crescer em graça, especialmente porque está cheio do Espírito Santo, e, como consequência também está cheio de bondade, afabilidade e qualidades morais. É um período de alegria e luz para Maria, ao mesmo tempo humano e sobrenatural.

    Constatamos na Igreja vários grupos que nasceram e cresceram suscitados pela devoção e o amor a Maria. Maria é a Mãe da Igreja e nossa Mãe. Quantos jovens rezam ao longo da semana em seus grupos o Santo Rosário, quantos jovens possuem esta devoção de prática diária! Quantos grupos e movimentos jovens que têm a devoção mariana!

    Todos nós veneramos a Virgem Maria e sabemos da sua santidade. Santidade essa que fez com que o próprio de Deus, que já a conhecia muito antes dela nascer (Jr1,5), viesse a lhe confiar a Sua própria vida na pessoa de seu filho Jesus. Nenhum de nós duvida da santidade plena de Maria. O que faz com que uma pessoa seja santa ou não são as escolhas que ela faz durante toda a sua vida. E em todas as escolhas de Maria, Deus sempre estava em primeiro lugar. Então, vamos analisar a juventude de Maria a partir do que sabemos.

    ‘Jovens, é possível responder ao chamado de Deus mesmo quando ele implica em um estado de vida diferente do comum!’. Para isso, é necessário adquirir uma virtude que Maria e José possuíam: coragem.

    Uma coragem que os leva a enfrentarem todo e qualquer preconceito que possa surgir da parte de quem for. Uma coragem que os levou a morrerem para suas próprias vontades e inclinações. Maria era linda não só interiormente, mas também exteriormente, como afirma São Dionísio quando se refere à visão que teve de Nossa Senhora: uma mulher muito mais bela do que qualquer imagem dela que já tivesse visto. Mas estavam dispostos a enfrentar o que viesse.

    Deus precisava de alguém corajosa, forte, audaciosa, despojada, para receber o chamado de ser mãe do Salvador. Pois só alguém com essas qualidades, alguém que amasse mais a Deus do que aos outros e do que a si própria é que poderia suportar tudo o que essa vocação acarretaria: todas as dificuldades, perseguições e sofrimentos. Já sabemos de tudo isso, mas o que precisamos lembrar é que todas essas qualidades foram encontradas em uma jovem. Foi em uma jovem que Deus achou tudo aquilo que Ele precisava. Consegue perceber a mensagem que está por trás do chamado de Maria? Essa é a mensagem: ‘Jovem, você consegue! Você consegue viver a castidade! Você consegue perseverar, consegue ser fiel, consegue amar!’. Maria é exemplo para nós de juventude santa. Exemplo de que Deus confia nos jovens para Seus planos mais importantes. Acredite: Deus quer contar com nossa juventude, independente de nossas fraquezas e limitações. Que Maria, a jovem que aceitou o desafio de Deus, possa rogar por nós para que, assim como ela, também aceitemos os desafios de nossa vida.

    Jovens, tenho a certeza de que Maria leva cada um a fazer a vontade do seu Filho. Maria é a discípula fiel, orante e silenciosa. Que possamos aprender com Maria estas virtudes tão necessárias para o tempo em que vivemos.

    Neste dia 11 de Outubro, quinta-feira, estarei presidindo a clausura da Novena de Nossa Senhora Aparecida, no Altar do Brasil, em Aparecida, SP, aonde estarei consagrando aos cuidados maternos de Nossa Senhora da Conceição Aparecida todos os jovens do Brasil. Que eles sejam discípulos-missionários de Jesus Cristo e deem o belo testemunho do odor da santidade em todos os ambientes de sua vida: em casa, na escola, na faculdade, no trabalho, no lazer santo e na vida apostólica. Sejamos missionários. Vamos levar a Palavra de Deus para todos os ambientes em que vivemos. Em sintonia com o Sínodo dos Bispos, que está se realizando em Roma desde o último dia 03 de outubro, vamos pedir a Deus que venha em socorro das necessidades da juventude e de seu empenho missionário. Que nossos jovens, seguindo o exemplo da jovem Maria Santíssima, a Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, possamos dizer e testemunhar: “Fazei tudo o que Jesus vos disser!” Assim nos ajude e nos proteja Deus, Uno e Trino, por intercessão da Senhora Aparecida, Amém!

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    16 − 14 =